Ao lado de Lula, Moisés Braz participa da abertura do 12º Congresso da Contag

700
Lula discursa no congresso da Contag (Foto: Ricardo Stuckert)

Ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o deputado estadual Moisés Braz (PT) participou, na noite desta segunda, 13, em Brasília, da abertura do 12º Congresso Nacional de Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (12º CNTTR). O Congresso, que vai até 17 de março, é a maior instância de deliberação do Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR).

“É um congresso importante e desafiador porque irá aprovar os rumos para a representação específica da agricultura familiar”, afirmou o deputado, ao destacar que este um cenário inédito para o MSTTR devido ao seu caráter de representação eclética da categoria, já que a mesma entidade representava os agricultores e agricultoras familiares e os assalariados e assalariadas rurais.

Durante a abertura, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a reforma da Previdência, dizendo que “estão tirando o que o povo tem”. “Querem cortar a aposentadoria, enquanto continuam tomando banho de piscina. Corta aposentadoria, corta Prouni, corta Fies, corta dinheiro da saúde, corta financiamento”, disse ele.

Lula congresso contag - Foto Ricardo Stuckert

Lula foi o último a discursar no evento. O ex-presidente tratou de todos os temas nacionais que foram abordados na abertura do encontro. A proposta de desconstrução do sistema previdenciário que está em debate, afirmou Lula, compõe um contexto maior de mudança de prioridade de investimento do Executivo federal:

“Eles estão tirando o que o povo tem. Por que não poderíamos ter um pouco de justiça social? Por que não poderíamos investir no povo pobre deste país?. Coloque um pobre de barriga cheia na mesma escola do rico, e eles terão as mesmas oportunidades”.

Foto: Ricardo Stuckert
Foto: Ricardo Stuckert

Em outro momento de seu discurso, Lula abordou questões referentes à produção agrária no Brasil. Ele disse: “Se o povo comesse cimento, eu faria estrada. Mas o povo come feijão, pão, bebe leite. Por isso, temos que acabar com a fome. Eu acho que essas pessoas que agora ocupam o governo não têm conhecimento do significado da importância dos trabalhadores rurais”.

Falando, por fim, sobre as últimas evoluções políticas que ocorreram no país, Lula ponderou: “Eu achei que o golpe era contra o PT…mas não. O golpe era porque incomoda muito a alguns o fato de um filho de uma agricultora familiar ter acesso à na universidade. Eles agora querem tirar o que vocês conquistaram. Não vamos deixar”.

Foto: Ricardo Stuckert
Foto: Ricardo Stuckert
Foto: Ricardo Stuckert
Foto: Ricardo Stuckert