De volta à Assembleia, Moisés Braz alerta para aumento da pobreza no Estado

Nenhum comentário

O deputado Moisés Braz (PT) apresentou, durante o primeiro expediente da sessão plenária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira (08/12), realizada de forma presencial e remota, a sua percepção sobre as visitas que fez a 71 municípios cearenses durante os quatro meses de licença parlamentar que teve.

Segundo ele, ao dialogar com aliados políticos, câmaras de vereadores, prefeituras e, principalmente, com lideranças sindicais e trabalhadores da agricultura familiar, foi possível identificar a gravidade da situação dos homens do campo no Ceará. “Pude perceber como o campo do Ceará perdeu políticas públicas nesses três anos de Governo Bolsonaro. Constatei como a agricultura cearense e as famílias da zona rural precisam do amparo do Estado, porque elas estão mais pobres”, apontou.  

Moisés Braz relatou que as famílias do campo estão se desfazendo dos seus bens, porque perderam o acesso ao crédito no Banco do Nordeste ou encontram uma enorme burocracia para fazer financiamentos. “Além disso, essas famílias perderam o que é mais sagrado, que é o direito de comprar comida. O povo no interior está com dificuldade de comprar comida”, alertou. 

De acordo com o parlamentar, a situação é ainda mais delicada na zona urbana dos municípios. “Na zona rural, nós ainda tivemos períodos de chuva, o que ajudou na produção de milho, feijão, arroz, e com esses produtos da agropecuária as pessoas vão conseguindo vender e comprar produtos básicos de alimentação. E, se a pobreza é visível no meio rural, na zona urbana ela é ainda pior, porque não há produção nem plantação, o que aumenta cada vez mais a dificuldade”, salientou. 

Ainda para Moisés Braz, trata-se de uma realidade que não é exclusiva do Ceará, mas do Nordeste como um todo e do Brasil. “Eu encontrei algo que eu não via três, quatro anos atrás. Foi uma indignação da vergonha que tive quando me deparei com a realidade, com o fato de não termos um Governo Federal preocupado com o povo mais pobre, que precisa dos benefícios da assistência social”, lamentou.

Com informações do site da Assembleia Legislativa

Assine nossa Newsletter

Conecte-se

Menu